bibliografia

 

 

Aula Curadoria em artes visuais – conexões entre crítica, estética e política | por Gabriela Motta

ASBURY, M. Historiografias do contemporâneo. MODOS. Revista de História da Arte. Campinas, v. 1, n.2, p.88-97, mai. 2017. Disponível em: ˂https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662311˃ DOI: https://doi.org/10.24978/mod.v1i2.760 I

BARRIENDOS, J. Aesthetic Cosmopolitanism? ‘Magiciens Effect’ and other Antinomies of the Global Artistic Hospitality. In: Kantuta Quirós, Aliocha Imhoff (ed.) Géoesthétique. Editions B42: Paris, 2014.

___________________. Confluência Esférica – curadoria global após ‘Magiciens de la Terre’. ARJ | Brasil | V. 2, n. 2 | p. 1-14 | jul. / dez. 2015. Disponível em: <https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/7293/5735> DOI: https://doi.org/10.36025/arj.v2i2.7293

DOS ANJOS, Moacir. Arte, curadoria e crise de representação. In.: Curadoria em artes visuais, um panorama histórico e prospectivo. (.) São Paulo: Santander Cultural, 2017.

LAGNADO, Lisette. As tarefas do curador. In.: Marcelina, Revista do mestrado em artes visuais da Faculdade Santa Marcelina. Ano 1, V.1(1 sem. 2008). São Paulo: Fasm, 2008. Disponível em: ˂https://desarquivo.org/sites/default/files/marcelina_01.pdf˃

LONGONI, Ana. Dilemas pendentes: perguntas frente à recuperação dos conceitualismos dos anos 1960. In.: FREIRE, Cristina; LONGONI, Ana (ed.). Conceitualismos do Sul/Conceptualismos del Sur. São Paulo, Annablume, 2009. Disponível em: <http://www.forumpermanente.org/revista/periodico-permanente-9/textos-em-pdf/dilemas-pendentes-perguntas-frente-a-recuperacao-dos-conceitualismos-dos-anos-1960-versao-pdf>

MORAIS, Frederico. Entrevista com Gabriela Motta e Fernanda Albuquerque. In.: Curadoria em artes visuais, um panorama histórico e prospectivo. (MOTTA, Gabriela e ALBUQUERQUE, Fernanda. Orgs.) São Paulo: Santander Cultural, 2017.

OBRIST, Hans Ulrich. Caminhos da curadoria. Rio de Janeiro: Cobogó, 2014.

_____________________. Uma breve história da curadoria. São Paulo: BEÎ, 2010.

O’DOHERTY, Brian. No interior do cubo branco. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PANITZ, Marília. Afinal, o que é curadoria? In.: Curadoria em artes visuais, um panorama histórico e prospectivo. (MOTTA, Gabriela e ALBUQUERQUE, Fernanda. Orgs.) São Paulo: Santander Cultural, 2017.

Hermano VIANNA, Hermano. O exotismo nosso de cada dia. Folha de S. Paulo, 16/05/2004.

Links:

https://www.youtube.com/watch?v=gpPQwWYwNpM&t=55s

(documentário italiano feito na ocasião da exposição Magiciens de La Terre, realizada em Paris em 1989)

https://www.youtube.com/watch?v=VnGl848vZ0w

(reportagem breve sobre a exposição WABF em Londres)

Aula Pensamento curatorial contemporâneo: relações políticas entre os corpos, o espaço e o tempo | por Bernardo José de Souza

CELANT, Germano. When Attitudes Become Form. Progetto Prada Arte: Milan, 2013.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. Martins Fontes: São Paulo, 2011.

GROYS, Boris. In the Flow. Verso: London, 2016.

HOFFMANN, Jens (Org.). Tem Fundamental Questions of Curating. Mousse Publishing: Milan, 2013.

O’NEILL, Paul. The Culture of Curating and the Curating of Culture(s). The MIT Press: London, 2012.

SIMON, Joshua. Neomaterialism. Sternberg Press: Berlin, 2013.

SMITH, Terry. Thinking Contemporary Curating. Independant Curators International (ICI): New York, 2012.

DE SOUZA, Bernardo José. Qui êtes-vous Polly Maggoo? Revista SeLect 37. Editora 3: São Paulo, 2018.

DE SOUZA, Bernardo José. Coisas que reconhecemos e não reconhecemos, mas cujas vozes assombram. Revista SeLecT 45. Editora 3: São Paulo, 2020.

Aula Curadoria, Curadoria Educativa, Educação: uma relação em construção | por Mônica Hoff

BASBAUM, Ricardo. Manual do artista-etc. Rio de Janeiro: Azougue, 2013.

BASSAS, Xavier (Org.). Genealogías curatoriales. 26 comisarios/as en diálogo. Madrid: Casimiro, 2016.

CERVETTO, Renata e LÓPEZ, Miguel. Agite antes de usar. Deslocamentos educativos, sociais e artísticos na América Latina. São Paulo: SESC, 2018.

GOGAN, Jessica. Domingos da Criação. Uma coleção poética do experimental em arte e educação. Rio de Janeiro: Instituto MESA, 2017.

GONÇALVES, Mônica Hoff. A virada educacional nas práticas artísticas e curatoriais contemporâneas e o contexto de arte brasileiro. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-graduação em Artes Visuais/UFRGS, 2014.

HELGUERA, Pablo e HOFF, Mônica. Pedagogia no campo expandido. Porto Alegre: Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul, 2011.

HERNANDEZ CHONG CUY, Sofía e HOFF, Mônica. A nuvem. Uma antologia para professores, mediadores e aficionados da 9 a Bienal do Mercosul. Porto Alegre: Fundação Bienal de Artes Visuais do Mercosul, 2013.

KAPROW, Allan. La educación del des-artista. Segovia: Árdora Ediciones, 2007.

LIND, Maria. Performing the curatorial. Berlin: Sternberg Press, 2012.

MORAIS, Frederico. Artes Plásticas. A crise da hora atual. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1975.

O’NEILL, Paul e WILSON, Mick. Curating and the educational turn. Londres/Amsterdam: Open Editions/ de Appel, 2010.

THORNE, Sam. SCHOOL: A recente history of self-organized art education. Berlin: Sternberg Press, 2017.

Aula O espaço como processo de criação | por Rommulo Vieira Conceição

Certeau, M. (2014) A invenção do cotidiano: 1 Ates de fazer. 21ed. Vozes. Petrópolis, RJ.

Massey, D.B (2004) Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Ed. Bertrand Brasil. Rio de Janeiro, 312p.

Jammer, M. (1993) Concepts of space: the history of theories of space in physics. 3rd enlarged ed. Dover Publications, Inc. New York, 261p.

Aula Educação como espinha institucional | por Gleyce Kelly Heitor

IBRAM. Política Nacional de Educação Museal. Documento final, 2017.

HEITOR, Gleyce Kelly. Todo seguirá siendo como hasta ahora? El papel de la mediación en los museos en lo contexto de la pandemia. Editorial Concreta, Madrid – Espanha, 2020. Pp. 112 – 117.

HONORATO, Cayo. Mediação e democracia cultural. São Paulo: SESC, 2014. Disponível em <https://issuu.com/centrodepesquisaeformacao/docs/media____o_e_democracia_cultural>

________.MORAES, Diogo de. Periódico Permanente #6 – Mediação Cultural. Periódico Permanente, v. 4, n. 6, 2016. Disponível em: <http://www.forumpermanente.org/revista/numero-6-1/sumario>

LAFORTUNE, Jean Marie. Da mediação a mediação: o jogo duplo do poder cultural em animação. In: HONORATO, Cayo. MORAES, D. Periódico Permanente #6 – Mediação Cultural. Periódico Permanente, v. 4, n. 6, 2016. Disponível em: <http://www.forumpermanente.org/revista/numero-6-1/sumario>

MONTECHIARI, Renata; HEITOR, Gleyce (org.). Caderno FLACSO Número 16 – Museus e Educação. 1. ed. Rio de Janeiro: Flacso Brasil, 2020. v. 16.

MORSCH, C. Numa encruzilhada de quatro discursos – Mediação e educação na Documenta 12: entre Afirmação, Reprodução, Desconstrução e Transformação. In: HONORATO, C. MORAES, D. Periódico Permanente #6 – Mediação Cultural. Periódico Permanente, v. 4, n. 6, 2016. Disponível em: <http://www.forumpermanente.org/revista/numero-6-1/sumario>

Aula Espaços autogestionados por artistas: emergências do agora | por Andressa Cantergiani

BENJAMIN, Walter. A Obra de Arte na era da Reprodutibilidade Técnica. LP&M Editores. Porto Alegre, 2013.

_______________. Magia e técnica, arte e política. Obras Escolhidas Volume I. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994b.

_______________. Magia e técnica, arte e política. Obras Escolhidas Volume II. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1994.

______________. O autor como produtor. In: KOTHE, Flávio. Sociologia. São Paulo: Ática, 314 1985, p. 187-201. 

BISHOP, Claire. Antagonismo e Estética Relacional. In: Revista Tatuí, Recife, n° 11, 2011.

______________. Artificial Hells: participatory art and the politics of spectatorship. New York: Verso, 2012.

______________. The Social Turn: Collaboration and its Discontents. In: ARTFORUM, 2006.

____________. Paticipation. London: Whitechapel; Cambridge, Massachussets: The MIT Press, 2006.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. São Paulo: Martins Editora, 2009a.

_________________. Pré-produção. São Paulo: Martins Editora, 2009b.

BAUSBAUM, Ricardo. Manual do artista etc. Beco do Azougue editorial ltda. Rio de Janeiro, 2013.

COMITÊ INVISÍVEL. Motim e Destituição Agora. N-1 Edições. São Paulo, 2020.

GUATARRI, Felix. Revolução Molecular. Tradução Suely Rolnik. Editora Brasiliense, 1985.

HELGUERA, Pablo. Education for Socially Engaged Art. New York: Jorge Pinto Books, 2011.

HOFF, Mônica, Cantergiani Andressa, Barbosa R. Denis & Remor, Leonardo. Não sou Daqui, Nem sou de lá: Gestão, Curadoria e residência artística em rede. Rede Nacional Funarte. Editora Península. Porto Alegre, 2017.

KAPROW, Allan. A educação do an-artista I. In: Concinnitas / IA/UERJ, Rio de Janeiro, v. 4, n. 4, 2003. Disponível em: http://www.concinnitas.uerj.br/arquivo/revista4.htm

_____________. A educação do an-artista II. In: Concinnitas / IA/UERJ, Rio de Janeiro, ano 5, n. 6, 2004. Disponível em: http://www.concinnitas.uerj.br/resumos6/kaprow.pdf

KESTER, Grant H. Colaboração, Arte e Subculturas. In: Caderno Videobrasil 02. São Paulo, no2, p.10-35, 2006. (download PDF) Disponível em
http://www2.sescsp.org.br/sesc/videobrasil/up/arquivos/200611/20061117_141808_CadernoVB02_p.10-35_P.pdf Acesso em: 05/03/2012.

LADAGGA, Reinaldo. Estética de la emergencia. Buenos Aires: Adriana Hidalgo, 2006.

LIPPARD, Lucy. Six Years: Dematerialization of the Art Object from 1966-72. Editora: New York, 1973.

_____________. The Lure of the Local: Senses of Place in a Multicentered Society. The New Press: new York, 1998.

LUDD, Ned. Urgência nas ruas. Editora Conrad, 2002.

MCCARTNEY, Nicola. Death of the Artist- Art World dissidents and their alternative identities. I. B. Tauris & Co. Ltd. London, New York, 2018.

MELLO, Christine. Extremidades: leituras entre arte, comunicação e experiência contemporânea. In: Diálogos transdisciplinares: arte e pesquisa. (PRADO, Gilbertto, TAVARES, Monica e ARANTES, Priscila. Orgs.) São Paulo: ECA/USP, 2016. Pg. 121. Disponível em: <http://www.gilberttoprado.net/assets/dialogostransdisciplinares.pdf>

PAIM, Claudia. Táticas de artistas na América Latina: coletivos, iniciativas coletivas e espaços autogestionados. Editora Panorama Crítico. Porto Alegre, 2012.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível. São Paulo: Ed. 34, 2005.

_______________. O espectador emancipado. São Paulo: WMFMartins Fontes, 2012.

_______________. O Mestre Ignorante. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

_______________. Sobre política estética. Barcelona: Museu d’Art Contemporani de Barcelona y Servei de Publicacions de la Universitat Autónoma de Barcelona, 2005.

SHEIKH, Simon. Notes on Institutional Critique, 2006. Disponível em: <http://eipcp.net/transversal/0106/sheikh/en> Acesso em 02/04/2013.

____________. Representação, contestação e poder: o artista como intelectual público. In: Sobre artistas como intelectuais públicos: respostas a Simon Sheikh. São Paulo: Casa Tomada, 2012.

SHERLOCK, Diana. Institutions by Artists: Resistance or Retreat? C Magazine 117 (Spring 2013): p. 16-20.

SCHNEIDER, Rebecca. 2010. “Protest Now and Again.” TDR 54, 2 (Summer):7–11. STEYERL, Hito.Duty Free Art: Art in the Age of Planetary Civil War.Verso: London, New York, 2019.

SHUSTERMAN, Richard. Vivendo a arte: o pensamento pragmatista e a estética popular. Rio de Janeiro: Editora 34, 1998.

TEJO, Cristiana. Panorama do pensamento emergente. Porto Alegre: Zouk, 2011.

FILLIOU, Robert. Teaching and learning as performing arts. Koeln-New York: Verlag Gebr. Koenig, 1970.

FINKELPEARL, Tom. Entrevista com Paulo Freire: uma discussão sobre o diálogo. Publicado no Caderno de Mediação da 8a Bienal do Mercosul, Porto Alegre, 2011.

VASCONCELLOS, Anna & BEZERRA, André (org.) Mapeamento de Residências Artísticas no Brasil. Funarte, 2014. Disponível em <https://issuu.com/gerpe/docs/miolo_capa-livro-res-artisticas-fin>

Artigos online:

https://www.sp-arte.com/editorial/a-liberdade-nos-espacos-independentes-de-arte/

https://casavogue.globo.com/LazerCultura/noticia/2017/07/os-espacos-independentes-que-estao-redefinindo-arte-contemporanea-brasileira.html